Já tomou um Vigno? Já ouviu falar nos Vignadores?

Dois movimentos do vinho chileno me chamam muito a atenção (e o coração): a MoVi – Movimento dos Vinhateiros Independentes e a criação do VIGNO – Vignadores de Carignan.

Hoje é sobre os Vignos que eu quero falar!

O MOVIMENTO

Criado em 2010, o grupo hoje é uma denominação chilena que representa vinhos produzidos com Carignan de vinhas velhas do Vale do Maule, berço da indústria vinícola chilena. O nome é derivado de Vino, palavra em espanhol para vinho, que combinada com a letra “G” de Carignan, se torna VIGNO. E, como não poderia deixar de ser, os vinhateiros tornam-se Vignadores! Bacana demais, né?!

VIGNO é um coletivo que agrega pequenos e grandes produtores do Maule, sob aspectos e requisitos de mercado únicos, o que contribui para elevar o padrão dos vinhos das vinícolas participantes. 

É parte do trabalho dos VIGNOS, prezar pelo patrimônio das vinhas velhas, produzir vinhos de qualidade e desenvolver, além da comercialização, toda a identidade, a comunicação e o marketing do grupo.

UMA VERDADEIRA DENOMINAÇÃO CHILENA

Para receber a marca VIGNO no rótulo, a vinícola precisa atender uma lista de critérios e requisitos, tais como:

  • vinhos 100% elaborados a partir de vinhas de Maule com mais de 30 anos e sem irrigação;
  • pelo menos 65% deve ser da casta Carignan, os 35% restantes também devem ser produzidas no Maule;
  • os vinhos devem permanecer em guarda mínima por 2 anos (barricas, garrafas). Os barris não precisam ser novos e podem ser substituídos por ânforas.

Produzir um VIGNO é muito mais que fazer um bom vinho. É 
 manter viva uma herança cultural do Maule, honrando as tradicionais técnicas de vinificação que foram passadas de geração em geração por mais de 400 anos.

Dentre as vinícolas Vignadoras estão: De Martino, Garagem Wine Co., Garcia + Schwaderer, Gillmore, Lomas De Cauquenes, Meli, Miguel Torres, Morande, Odfjell, Undurraga, Valdivieso, Viña Roja.

Abaixo, 2 Vignos que tomei recentemente seguidos das minhas Notas de Bebelier:

Undurraga Vigno 2013

Carignan com pequenos cortes de Cinsault e Grenache- blend apaixonante

Violáceo, aromas de frutas negras e deliciosos terciários como café e cacau. Em boca é ácido e com taninos equilibrados. Redondo, maciez que vai crescendo em taça sem perder o frescor. Acompanhou muito bem uma massa com carne.

Miguel Torres Vigno

Rubi violáceo com aromas de frutas vermelhas e negras. As frutas aqui aparecem mais frescas e notas de tabaco se desprendem da taça com muita facilidade. Precisou respirar em taça para perder um pouquinho do alcool. Acidez lá em cima e taninos afiados que pediram um prato com mais corpo. Muito equilibrado e intenso do início ao final. A garrafa foi-se rapidamente.


Para mim, ter um Vigno à disposição é ter a garantia de um vinho bom, o que chamamos de “vinhão”. Vignos sempre serão bem-vindos! Eu sou uma Vigno Lover!

Já teve experiências com os VIGNOS? O que achou?

Até a próxima e tim-tim!

3 comentários sobre “Já tomou um Vigno? Já ouviu falar nos Vignadores?

    1. Sim, Tulio, estava há tempos querendo falar deles pq eu acho garantia de um bom vinho. A Gilmore faz vinhos muito bons e nunca tomei o Vigno dela não. Não que eu me lembre! Nós somos do grupo do Eu Amo Vinhas Velhas, né hahahahaha

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s