(Portugal) HUMUS: que vinho é esse??? Por Luciano Ferreira

Essa dúvida surgiu em grupo do Facebook do qual eu participo. Devo deixar claro que infelizmente não tive *ainda* a oportunidade de provar esse vinho e não vejo a hora de encontrá-lo no Brasil! Mas um amigo respondeu de forma tão irretocável, que transformei seu comentário em post. Vejam que bela explicação!

HUMUS é um rótulo de um vinho natural produzido na região da medieval vila de Óbidos, em Portugal.

A Vila de Óbidos tem uma história interessante: foi um dos presentes do rei D. Dinis à esposa Isabel de Aragão, que veio a ser a Santa Isabel que está sepultada no mosteiro de Santa Clara-a-Nova em Coimbra. Também é de Óbidos o licor de Ginja, conhecido como “Ginjinha”.

Humus não é uma classificação de vinhos, mas um rótulo de um vinho biológico ou natural.

humus2
Foto by Mondino Wines

Esses vinhos biológicos ou naturais são feitos como eram feitos os vinhos nos tempos antigos, antes de fabricá-los em grande escala para vender. Não possuem a pretensão de serem de guarda ou longevos; raramente passam por carvalho e, havendo pouca ou nenhuma adição de sulfitos, os produtores recomendam o seu consumo em até 3 anos.

Toda a  produção do Humus é natural, sem agrotóxicos, sem adição de conservantes, respeitando o solo e sem filtragem. É uma forma ancestral de produção do vinho, que vai contra a corrente do que foi estabelecido comercialmente no mundo do vinho.

Como opinião particular, não sei se vem a ser sempre bom, pois sem a ciência que controla as pragas e a qualidade das colheitas, nem sempre um vinho natural é necessariamente bom e sustentável.

O fato é que os vinhos naturais têm sido moda na Europa. Penso que isso é uma estratégia interessante de mercado, para que a indústria do vinho tenha mais vendas e mais fabrico, pois se o vinho é consumido logo, há demanda para novos vinhos, enquanto que se ele for de guarda, o mercado de compra e venda não se energiza, não tem giro de capital.

O maior produtor de vinhos naturais de Portugal chama-se Ricardo Filipe, enólogo da Encosta da Quinta e protagonista da cena dos “naturebas”. Em 2007, começou a converter os vinhedos e em 2010 fez o seu primeiro vinho natural, sem adição de sulfitos. Em 2015, veio o salto, Rodrigo Filipe produziu cerca de 20 mil garrafas de vinho natural.

Rodrigo-Filipe-Humus
Foto by Simon Woolf

Tendência, necessidade ou modinha? O tempo dirá. Mas um aspecto temos que admitir: os vinhos naturais estão dando o que falar.

Conheça o perfil  Humus Wine no Instagram clicando aqui.

Luciano Ferreira é Solution Architect na área de Tecnologia da Informação, amante de vinhos e autor do blog Minha Adega.

luciano

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s